quarta-feira, março 05, 2008

tateio reminiscências
pra disfarçar o peso
cego da minha dor

são teus cílios de sol
os frágeis precipícios
que encerram nosso adeus

(quieto
retraço-me o vôo
nos restos daquilo que sou)

2 comentários:

Minina disse...

voei agora...

voei lilás...

a segunda estrofe: o peso da luz.

e se cala, é poesia.

um bjo, qerido, sempre lindo,

ateh!

Ilaine disse...

Oi, Douglas!

Que belo poema!
Gostei muito de seu blog, voltarei mais vezes. Vou anexar o "Rascunhos em tons..." aos meu favoritos.

Se quiseres me visitar também...

Bj