sábado, abril 18, 2009

.
quando eu tornar-me um hábito
desabite-me
.
.

4 comentários:

Lucius Kod disse...

e qndo fores meu habitat, habitue-me. como o aço das facas incisivas, ao corte.

Angela disse...

Ah! Que belo duelo em palavras! Douglas X Lucius!
que tal continuarem pelai afora?
creio que nós, leitores, adoraríamos; Eu, de certeza!

CeciLia disse...

Há brechas
a habitar.
Entre o
hábito
e o
hálito
Silêncios há.

Ah! braços

Rayanne disse...

Fabuloso. **Estrelas**